YouTube proíbe Monark

O YouTube suspendeu a monetização de Monark, além de proibir que o rapaz crie outro canal. O comunicado de suspensão foi enviado ao apresentador na noite de quinta-feira (17), e nele, a plataforma informou que o rapaz teria até 24 horas para recorrer à decisão.

A plataforma de streaming informou que a suspensão não é definitiva, porém, não tem um prazo definido. A decisão foi tomada posteriormente Monark defender a existência de um partido nazista no Brasil, o que violou as diretrizes da plataforma. Monark usou suas redes sociais para mostrar sua indignação.

“Estou sofrendo perseguição politica do @YouTubeBrasil eles me proibiram de criar um novo canal para poder continuar minha vida, pessoas poderosas querem me destruir. Liberdade de expressão morreu”, declarou Monark, em uma publicação em seu Twitter. Posteriormente assumir que sua fala foi infeliz e frisar que já se desculpou algumas vezes, o rapaz começou dizendo. “De maneira alguma defendi ideologias extremistas. Eu sofri as consequências, eu perdi o Flow, sai da empresa, sai do meu programa e pedi desculpas, várias vezes. Mas não acabam as retaliações, parece que, pessoas muito poderosas querem me destruir completamente e eu preciso da ajuda de vocês, porque não é justo.”

O rapaz, que vendeu sua parte do FlowPodcast, um dos maiores programas do país, citou o erro que cometeu e afirmou que as consequências, segundo ele, estão fora do normal. “Estão tentando, literalmente, me destruir e acabar com a minha vida. É isso que vocês acham justo?”, finalizou