Volta às aulas: como será o segundo semestre nas escolas de Sorocaba

O início do segundo semestre do ano letivo para os estudantes de Sorocaba (SP) continuará com as aulas em sistema híbrido na rede municipal. Por conta da Covid-19, até o momento, só serão permitidas aulas presenciais com 35% da capacidade, em esquema de revezamento.

O uso de máscara por parte de estudantes e funcionários seguirá obrigatório. A participação presencial ainda será facultativa, ou seja, a decisão pela aula presencial ou a distância ficará a cargo de pais e alunos. Para as famílias que não tiverem acesso à internet, as atividades ficarão disponíveis para retirada nas escolas.

O Governo de São Paulo determinou que escolas públicas e privadas do ensino básica (educação infantil, ensino fundamental e médio) da rede estadual poderão retomar as aulas com até 100% da capacidade a partir de 2 de agosto, desde que seja respeitado o distanciamento de um metro entre os estudantes. Antes, o distanciamento mínimo era de 1,5 metro e o limite de capacidade era de até 35% do total de alunos.

O ensino superior e técnico também poderá retomar aulas presenciais em agosto, mas com capacidade limitada a 60%. A exceção é para os cursos da área da saúde, que podem receber todos os estudantes matriculados de uma só vez.

Já a Prefeitura de Sorocaba informou que realizará, gradativamente, a adequação para ampliação da capacidade de estudantes, seguindo as recomendações do decreto estadual. No entanto, o poder público ainda não definiu uma data para que isso ocorra.

Escolas municipais
A rede municipal concluiu, na última segunda-feira (19), o retorno escalonado de todas as etapas de ensino, que teve início no dia 7 de junho. O esquema de aulas para todos os níveis é de forma escalonada, híbrida e facultativa aos pais e responsáveis.

Nesta semana, retomaram as aulas presenciais com 35% da capacidade os alunos do ensino fundamental, creche III e pré-escola. Desde o dia 14 de junho, já adotaram o novo esquema com aulas presenciais os estudantes de 11 a 14 anos, assim como os alunos do berçário de até dois anos. A modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA) retornou presencialmente no dia 21 de junho.

Todas as escolas municipais devem seguir as orientações e somente administrar aulas presenciais com 35% da capacidade e manter o distanciamento de, pelo menos, 1,5 metro entre os alunos. O uso de máscara é obrigatório.

Escolas públicas e privadas do estado
No início de julho, o Governo de São Paulo decidiu que as escolas públicas e privadas do estado da educação básica poderão retomar as aulas com até 100% da capacidade a partir de agosto, respeitando o distanciamento de um metro entre os estudantes.

Desde abril, as escolas do estado estão abertas para aulas presenciais, mas a presença dos estudantes estava limitada a 35% do total.

No ano passado, as escolas chegaram a reabrir, mas com o progresso da pandemia, em março de 2021, as medidas de restrição foram intensificadas e as instituições de ensino foram orientadas a receber exclusivamente estudantes em situação vulnerável.

A Secretaria Estadual da Educação afirma que cada escola vai poder calcular se tem capacidade para retomar as atividades presenciais, obedecendo às normas de distanciamento estabelecidas.
Em Sorocaba, algumas unidades mantêm a recomendação do governo com 100% da ocupação, mas a medida não é uma regra. As escolas que não tiverem condições para a retomada de 100% dos alunos de uma única vez poderão adotar o sistema de rodízio e dividir os alunos em turmas diferentes.

Ensino superior e técnico
O Governo de São Paulo anunciou no início de julho a retomada das aulas presenciais nas universidades e escolas de ensino técnico a partir de 2 de agosto.

As instituições de ensino superior, como as universidades e as faculdades técnicas, poderão receber presencialmente até 60% do total de alunos. Já as de ensino técnico de nível médio, como as Etecs, seguem as mesmas regras da educação básica, ou seja, não têm limite de ocupação.

A capacidade máxima de 60% dos estudantes de ensino superior não se aplica aos cursos da área da saúde, que podem receber presencialmente 100% dos alunos matriculados. Foram incluídos na categoria da saúde também os cursos de saúde coletiva, saúde pública e medicina veterinária.

Atividades práticas, laboratoriais e estágios de cursos superiores em todas as áreas também poderão ocorrer presencialmente, sem limite de ocupação.