Vereador de SP tem celular furtado no trânsito, e bandidos limpam valor de contas bancárias

O celular do vereador Marlon Luz (Patriotas) foi furtado na noite desta quinta-feira (17) quando o parlamentar saía da Câmara de São Paulo, no Centro de São Paulo. Em menos de duas horas, os criminosos desviaram R$ 67 mil de duas contas bancárias, por meio de aplicativos de bancos instalados no telefone.
Ao Portal Web Rádio Xis, Luz relatou que o carro estava parado em um congestionamento na Avenida 23 de Maio, com o celular iPhone X com a tela desbloqueada e aberto no aplicativo Waze. Nesse momento, um homem estourou o vidro e pegou o aparelho, que estava no painel. Uma câmera de segurança de dentro do veículo registrou a ação.

Poucos minutos depois, os criminosos invadiram duas contas bancárias do vereador no aplicativo do Itaú: uma de pessoa física, do Personnalité; e outra jurídica. Eles, logo, transferiram R$ 67 mil para uma terceira conta do próprio vereador, no banco Original, que também foi invadida. Em seguida, os bandidos criaram uma chave PIX no app dessa última instituição e repassaram o valor para cinco contas bancárias.

O vereador fez dois boletins de ocorrência: um de furto qualificado e outro de estelionato, na delegacia especializada de crimes cibernéticos.

“O delegado me disse que se trata de uma quadrilha, com hackers, que rouba a senha pela forma como você digita os números no teclado. Os bancos me pediram cinco dias para darem uma análise da situação”, disse o vereador.

O Portal Web Rádio Xis pediu à Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) uma entrevista com o delegado responsável pelo caso para que ele explique como seria provável que o acesso às senhas fosse feito pelos criminosos por meio da tela do celular. A pasta disse que iria se manifestar exclusivamente por nota e afirmou que um sindicância policial para investigar o caso foi aberto pela Central Especializada de Repressão a Crimes e Ocorrências (Cerco) da 1ª Seccional.

“O policiamento ostensivo e preventivo na região será reforçado. Diligências são realizadas para identificar e responsabilizar o responsável do crime”, disse a SSP, em comunicado.

Segundo o vereador, os criminosos também tentaram invadir as suas contas bancárias do Banco do Brasil e do Santander, mas não conseguiram.
“Logo depois de o latrocínio, eu pedi ajuda a uma viatura da Polícia Militar e tentei bloquear o celular (um Iphone X) pelo site da Apple. Mas o site não localizava o celular. Porém, o celular continuava funcionando, eu tinha o WhatsApp aberto no computador e continuei recebendo as mensagens normalmente”, disse o Luz.

“Eu nunca mais terei aplicativo de banco no celular. Não é seguro. É difícil, mas é a única coisa, não conseguem nos garantir segurança.”

Procurado pelo Portal Web Rádio Xis, o Itaú afirmou que seu aplicativo “é seguro e toda transação, para ser aprovada, necessita obrigatoriamente de senha da conta corrente” . O Banco Original não retornou o contato até a última atualização desta reportagem.

Já a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) afirmou que os aplicativos de bancos têm “elevado grau de segurança desde o seu desenvolvimento até a sua utilização, não existindo qualquer registro de violação dessa segurança”.