Vanessa da Mata aborda o repertório de Clara Nunes sob direção músical de Kassin

Vanessa da Mata pretende irradiar em cena a luminosidade de Clara Francisca Gonçalves (12 de agosto de 1942 – 2 de abril de 1983), grande cantora mineira eternizada como Clara Nunes na memória afetiva do povo brasileiro.

Com encenação de Jorge Farjalla e sob a direção musical do produtor Alexandre Kassin, Vanessa da Mata entrará em cena como a artista mineira no musical de teatro Clara Nunes – A tal Guerreira, previsto para estrear no último trimestre de 2021, em sessões online, e para ter apresentações presenciais em 2022, ano do 80º aniversário de Clara Nunes.

Com esse projeto teatral e musical, Vanessa da Mata se junta a um time de cantoras que já fizeram incursões pelo repertório de Clara em discos e/ou nos palcos.

Alcione, Carla Visi, Fabiana Cozza, Mariene de Castro, Valéria Oliveira e Virgínia Rosa são cantoras que deram voz a músicas da discografia de Clara Nunes (a maioria entre 2012 e 2013), com destaques para as abordagens de Alcione, Fabiana e Mariene.

De origem mato-grossense, Vanessa da Mata celebra o Brasil projetado pelo repertório de Clara Nunes. “Sempre fui apaixonada pelos Brasis que Clara canta! Das intérpretes que cantam o Brasil de maneira grandiosa, Clara Nunes sempre me capturou de forma dissemelhante! Clara é um dos ícones que sustentam um orgulho de nascermos aqui e, apesar de tudo, termos o riso e a força transparecendo de várias formas. Precisamos levar às novas gerações a pluralidade musical, lúdica, híbrida, poética das músicas tradicionais de muitas regiões que Clara deu a uma multidão de maneira nacional”, justifica Vanessa da Mata em texto postado nas redes sociais da artista na manhã desta segunda-feira, 9 de agosto.

Cabe lembrar que, no Carnaval do Rio de Janeiro de 2012, a artista apareceu caracterizada como Clara Nunes no desfile da Portela, escola de samba ao qual à cantora mineira se associou a partir de 1971.

Embora tenha desenvolvido discografia essencialmente autoral a partir do primeiro álbum, editado em 2002, Vanessa da Mata já tem (controvertido) trabalho como intérprete no currículo – no caso, um projeto só para isso à obra soberana do compositor Antonio Carlos Jobim (1927 – 1994). Trata-se do show Vanessa da Mata canta Tom Jobim, estreado em 2013 e perpetuado em álbum gravado em estúdio e editado no mesmo ano de 2013.