Ingressos para os shows em SP de Marina Sena, revelação do pop brasílio, evaporaram em minutos no final de 2021. A sorte de quem conseguiu comprar terminou na quinta (6), dois dias antes dos shows, adiados devido à piora na pandemia.

São dois retratos do mercado de shows: a euforia com a venda de ingressos no término de 2021 virou incerteza. Alguns artistas já cancelaram datas por receio, por regras locais mais rígidas ou porque eles e/ou suas equipes pegaram Covid. 

Não se trata de um apagão de eventos como no início da pandemia em 2020. Há vários cantores com a agenda lotada, e a maioria dos estados e municípios ainda permite os eventos. Mas alguns shows já foram adiados por prevenção, como Marina Sena, Anitta e Djonga.

A maioria dos cancelamentos não ocorreu por prevenção, mas porque os próprios artistas ou membros de suas equipes já estavam contaminados: Gusttavo Lima, Simone e Simaria, Xamã, Duda Beat, Israel & Rodolffo e vários outros tiveram que permanecer em suas residências.

Ao contrário do carnaval, que já foi cancelado em grande parte do Brasil, os shows seguem liberados na maior parte do país. Mas no Ceará uma nova regra que restringe eventos em locais fechados a 250 pessoas e abertos a 500 pessoas já provocou cancelamentos.

Os shows adiados até o momento são:

  • Marina Sena em São Paulo em 8 e 9 de janeiro
  • Djonga e Bin no Rio em 8 de Janeiro
  • Tentativa da Anitta no Rio em 9 de janeiro
  • Eduardo Costa em Paranavaí (PR) em 15 de janeiro
  • No Ceará, vários shows foram adiados devido às novas regras mais rígidas: João Gomes, Nando Reis, Zé Felipe, Fagner, Silva e outros.