Réu entra em julgamento on-line usando palavrão como nome e deixa juiz furioso

Caso aconteceu nos EUA em reunião no Zoom, serviço de videoconferência. Mesmo juiz teve audiência em que vítima e indiciado estavam juntos em apartamento. Juiz nos EUA passa por situações delicadas durante audiências on-line
Um julgamento on-line no Michigan, nos Estados Unidos, gerou uma situação inusitada: o réu, indiciado por posse de itens relacionados ao uso de drogas, entrou na videoconferência do Zoom utilizando um apelido sexual.
Quando foi autorizado na sala, o homem estava identificado como “Buttf*cker 3000”, palavrão que faz referência a sexo. O juiz Jeffrey Middleton, logo, perguntou qual era o seu nome verdadeiro.

O réu pareceu confuso com a pergunta e questionou “eu?”. Em seguida, relevou a identidade: Nathaniel Saxton.
“Seu nome não é Buttf–ker 300, você, que logou no meu tribunal com esse nome na tela?”, reclamou o juiz.

Saxton se defendeu dizendo que ele não teria digitado o nome e pediu desculpas. Em seguida, o juiz o removeu da sala e pediu para que ele “pensasse sobre como se identifica na internet”.
O Zoom permite mudar o nome de exibição a qualquer momento da chamada. Ao passar o mouse sobre a própria imagem, o usuário pode clicar no ícone de três pontos e em seguida escolher a opção “renomear”.

O juiz Jeffrey Middleton passou por outra situação incomum em julgamentos por videochamadas.

Em março, uma defensora pública estava fazendo perguntas para uma mulher vítima de violência e percebeu, pelas imagens, que ela estava no mesmo apartamento que o indiciado.
A polícia foi até o lugar e o prendeu. Middleton disse que nunca tinha passado por uma situação como aquela.