Na crise gerada pela pandemia, é cada vez mais geral encontrar quem esteja considerando vender seus próprios “nudes” para pagar os boletos.
Na teoria, é mais simples do que parece: o site OnlyFans reúne milhares de usuários dispostos a pagar pela foto de alguém pelado.
Fundada em 2016, a plataforma é uma rede social em que criadores podem cobrar pelo acesso a qualquer tipo de post – de cursos a performances artísticas.
Mas basta entrar para ver que a maioria das pessoas está lá para comprar e vender pornografia caseira, segmento que se fortaleceu na quarentena.
A procura pelo site no Brasil quintuplicou entre março de 2020 e o mesmo mês deste ano. Já o tabu em torno dele vem diminuindo, principalmente depois da adesão de celebridades, como a atriz americana Bella Thorne e a brasileira Anitta.
O problema é que, na prática, o quantia não vem tão fácil quanto alguns podem descobrir. Uma vez que em qualquer empreitada, ter sucesso nas vendas do OnlyFans depende de uma boa dose de visão de negócio. A receita do sucesso inclui:

Foco: Produzir teor que gere interesse exige tempo, dedicação e estudo das táticas usadas por quem já deu certo na plataforma;
Organização: Diferentemente de outras redes sociais, o OnlyFans permite agendar posts. Otimizar o tempo e se programar para gerar um calendários de publicações constantes é fundamental;
Vocação: Definitivamente, tirar a roupa e sensualizar na internet não é para qualquer um. Desenvoltura e originalidade são fundamentais;
Um pouco de sorte: No OnlyFans, importa menos o número de seguidores que um fundador tem, e mais o quanto eles estão dispostos a ser generosos nos pagamentos.

Além de tudo isso, é preciso ter jogo de cintura para tratar com seguidores chatos ou mal intencionados e com o preconceito, que ainda existe – e embora a rede seja vasta em conteúdos de ambos os gêneros, ele é pior para as mulheres.
O Portal Web Rádio Xis conversou com cinco brasileiras que faturam com “nudes”. Elas narram as estratégias que usam para lucrar quantia e calculam os lucros, mas mostram que nem tudo é glamour. O trabalho no OnlyFans também é repleto de perrengues.

‘Ninguém sabe que sou eu’
“A Nicolli só existe dentro do OnlyFans. Ninguém vê essa pessoa na rua, ela não existe”, diz Nicolli Zurkin, que se identifica nas redes como Lady Loira.
Toda vez que produz teor para a plataforma ou conversa por vídeo com qualquer seguidor, ela se monta com longos cabelos loiros e maquiagem carregada, num personagem quase irreconhecível.
“Na vida real, sou morena, tenho cabelo curto. Ninguém sabe que sou eu, nem meus amigos sabem.”
Trabalhando em parceria com o marido fotógrafo (que não aparece nas postagens), ela estima ter triplicado os negócios no nicho de teor adulto durante a pandemia.
Com por volta de de 200 seguidores, fatura em média de US$ 1 mil a US$ 1.500 por mês (alguma coisa entre R$ 5.600 e R$ 8.500, considerando a cotação atual). A rede ainda não aceita pagamento em moeda brasileira e, segundo as usuárias, a maioria dos compradores são estrangeiros.
Nicolli prefere manter a maioria das postagens de sua conta gratuitas, mas todas têm um ícone que permite aos seguidores enviar gorjetas. A maior parte do valor, no entanto, não vem daí. Ela explica:
“Dentro do direct é onde rola a grana pesada.”
O direct é onde produtores de teor conversam com seguidores de forma privada, como acontece em qualquer rede social. A diferença é que, no OnlyFans, cada mensagem pode ter um preço, escolhido pelo proprietário da página.
“Se eu recebo uma gorjeta, eu normalmente chamo a pessoa no direct e dou um brinde. Por exemplo, se postei uma foto de lingerie, mando no privado um vídeo tirando a lingerie, e cobro por ele. Quem viu a amostrinha grátis paga para ver a sequência.”
Outra estratégia: “Mando para todos os meus seguidores uma foto sensual gratuita e, em seguida, um vídeo pago de masturbação, avisando na legenda do que se trata. Todos acabam pagando. Isso aprendi com as gringas”.
Às vezes, o papo por direct no OnlyFans avança para uma relação virtualmente mais íntima (e mais cara), por WhatsApp. Nicolle cobra R$ 50 por cinco minutos de conversa em vídeo pelo app.
“É porquê se fossem meu amantes. Tudo virtual, e tudo bem. Pagando bem, que mal tem?”

‘Vazaram posts na minha cidade’
Heloine Moreno lida com críticas moralistas desde que posou para a edição mexicana da revista “Playboy”, em 2019.
Antes mesmo de receber a revista impressa, ela soube que as fotos haviam vazado em sua cidade natal, no interior de São Paulo.
O mesmo aconteceu com posts que ela compartilhou no OnlyFans. “Uma pessoa comprou meu teor e divulgou na cidade. Fiquei muito incomodada com isso. Cheguei a bloquear todos os usuários do Brasil, mas estava perdendo muito dinheiro. Logo voltei atrás.”
A rede oferece opções para bloquear e denunciar usuários inoportunos ou abusivos, e até mesmo grupos ou países inteiros. Mas produtoras de conteúdo reclamam da falta de medidas contra o vazamento de fotos e vídeos.
O OnlyFans não tem botões que permitem enviar posts para outras redes ou salvar imagens no celular, mas não impede que o usuário tire uma foto ou grave a tela, usando o próprio aparelho.
O vazamento de imagens íntimas sem autorização é delito, com pena prevista de um a cinco anos de prisão.
“[O trabalho no OnlyFans] não tem nada a ver com prostituição. Também não é porque você está ali que é uma atriz pornô. Se for, não tem problema. Mas as pessoas confundem”, diz Heloíne. “Mas já passei desse tempo [de sofrer com o preconceito]. Ninguém paga minhas contas.”
Morando há nove anos nos Estados Unidos, ela já chegou a lucrar US$ 3.000 (mais de R$ 16 mil) em um mês na plataforma.
Além de faturar no OnlyFans e com os trabalhos de modelo, Heloíne também cobra para dar consultoria a outras pessoas interessadas em lucrar quantia com conteúdo adulto na internet.
‘No exterior, a mente é mais ocasião’

Entre as brasileiras ativas na rede, é comum encontrar quem, como Heloíne, tenha publicado no OnlyFans fora do Brasil.
O serviço ainda é incipiente por aqui. Prova disso é o português parco do site. O botão para gorjetas, por exemplo, se chama “Deixar dica” (tradução errada do inglês “tip”).
Priscila Volturi é mais uma nesse grupo, Morando na Irlanda, ela começou a gerar teor para a plataforma depois que o clube de strip-tease, onde trabalhava, fechou pelo motivo da pandemia.
“Era só um plano B até o meu trabalho reabrir, já que não tenho direito ao auxílio emergencial irlandês. Mas agora pretendo continuar”, diz.
Para manter o aluguel e outras contas em dia, ela estabeleceu a meta de lucrar mil euros (por volta de de R$ 6,5 mil) por mês, o que afirma conseguir postando duas vezes por semana no site.
Também no caso de Priscila, superar o preconceito foi uma das maiores dificuldades.
“A minha família provavelmente sabe o que faço, mas não comenta. Sei que não apoiaria.”
“A única pessoa para quem tive a preocupação de narrar pessoalmente foi minha mãe. Ela não concorda, mas me apoia”, acrescenta.
Pelas redes sociais, ela ainda sente a rejeição dos parentes do Brasil, mas diz viver mais tranquila no exterior.
“Aqui as pessoas têm a mente um pouco mais aberta. Se eu saio na rua, sei que não vou encontrar um parente, um conhecido, que vai me julgar.”
‘Tenho flexibilidade para estudar’

O mercado de “nudes” na internet não surgiu com o OnlyFans. Muito antes do site ser criado, os “packs” (como são chamados os pacotes de imagens eróticas) já eram negociados por WhatsApp e até e-mail, num processo muito mais demorado.
Aurora é uma das vendedoras que está nesse mercado, porquê dizem por aí, desde que tudo era mato. Começou há cinco anos, quando passou a estudar para prestar vestibular para Medicina.
“Tenho flexibilidade de tempo para estudar. Me planejo, produzo durante alguns dias o teor do mês inteiro”, explica.
Um dos trunfos técnicos do OnlyFans, citados por quem usa, é a facilidade para gerar uma agenda de publicações. Para otimizar o tempo, Aurora terceiriza a organização do posts e o trabalho de marketing.
Em seu perfil, além do teor erótico, ela compartilha fotos do dia-a-dia — inclusive, dos estudos.
Quem vive dos lucros da plataforma garante que imagens de sensualidade sutil e até as casuais podem ter desempenhos melhores do que as explícitas. Elas atiçam a curiosidade de seguidores. Muitos acabam se convencendo a pagar pelo teor mais picante, enviado por mensagem privada.
Com rendimento mensal de até US$ 2 mil (mais de R$ 11 mil), Aurora comemora o fato de não ter nada a esconder de ninguém.
“Foi um choque quando comecei. Minha família ficou assustada. Mas, hoje, todo mundo sabe que trabalho com isso e que estou muito bem. Parei de ter problema quando deixou de ser um sigilo.”
‘Colocou foto nua na internet, já era’

Doce Suicide levou para o OnlyFans o nome que já tinha consolidado no Suicide Girls, site com ensaios sensuais de modelos alternativas, fundado em 2001.
Há seis anos vendendo “packs” em diferentes plataformas, ela viu esse mercado se fortalecer no Brasil e o tabu diminuir, mas nunca deixar de viver.
“Por mais que o brasileiro consuma muito conteúdo adulto, as pessoas ainda escondem, não querem remunerar no cartão de crédito porque fica registrado na fatura.”
Hoje, Doce (como prefere ser chamada) trabalha para profissionalizar a atividade no país. No ano passado, ela abriu uma filial de modelos com foco na venda de teor pela internet.
Entre outros serviços, a empresa oferece um treinamento para outros interessados em faturar no OnlyFans.
“Passei a acompanhar algumas carreiras nesse universo. Vejo que muita gente tem uma visão romântica, de que tudo é fácil e glamoroso. Acha que vai entrar já com muitos seguidores e ganhando quantia. Não é assim”, explica a empresária.
“Esse é um trabalho como qualquer outro. Há o bônus, que é poder ter flexibilidade de horário, por exemplo, mas também tem que investir em bons equipamentos e sustentar gente repugnante te atacando.”

E uma incerteza geral de iniciantes, segundo ela: é provável lucrar quantia com “nudes” sem mostrar o rosto?
Provável, sim, mas é difícil. “Tem que gerar uma identidade muito forte, uma marca, que deixe as pessoas curiosas.”
Se vai mostrar tudo, Doce avisa: “Antes de entrar nesse mundo, tem que estar muito consciente de tudo. Colocou foto nua na internet, já era. O print é livre.”
“Se a foto vaza, você vai conseguir tratar com as consequências? Vai prejudicar sua carreira em outras áreas? Se tiver qualquer problema desse tipo, aconselho que não faça.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.