A quadrilha suspeita de gerenciar um esquema de adulteração de bombas de combustíveis na região de Sorocaba (SP) movimentou mais de R$ 5 milhões, segundo informações do Sindicato do Negócio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro).

Quatro pessoas foram presas durante uma operação do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) nesta quinta-feira (18). Ao todo, 11 mandados foram cumpridos, sendo cinco de prisão e seis de procura e consumição em postos de combustíveis.

Segundo as investigações, que duraram por volta de  seis meses, os donos desses postos e os funcionários instalavam nas bombas equipamentos eletrônicos para fraudar a quantidade e não a qualidade do combustível.

De concordância com o Sincopetro, a fraude chega a 10% no litro de combustível. O lucro obtido pelos suspeitos chega a R$ 500 mil em cada um dos postos por mês, totalizando mais de R$ 5 milhões.

O líder da quadrilha foi recluso em Itu (SP), em um condomínio de luxo, na tarde de quarta-feira (17). Os outros presos eram funcionários destes postos de combustíveis.