OnlyFans sabota usuários que têm contas em sites rivais

É o que indica os documentos de um processo na Justiça americana que reforçam que o OnlyFans orientou uma empresa de mídia social não identificada a sabotar contas de artistas colocando seu teor em um banco de dados de terrorismo.

Representantes do OnlyFans teriam pagado subornos aos funcionários dessa empresa para facilitar a prática. O OnlyFans diz que está ciente do processo, que descreveu como “sem valor”.

Sediado em Londres, no Reino Unido, o OnlyFans — mais conhecido por hospedar pornografia — cresceu muito nos últimos anos. A plataforma permite que usuários compartilhem videoclipes e fotos com assinantes de seus canais em troca de dinheiro.

Os artistas costumam usar contas de mídia social — incluindo Twitter e Instagram — para promover e vincular sites adultos com teor mais explícito.