Uma gigante nuvem de poeira de 615 mil quilômetros quadrados está se aproximando da costa da Argentina, de concordância com uma imagem de satélite publicada pelo pesquisador e investigador da NASA, Santiago Gassó.
A nuvem de poeira se movimenta pela costa argentina banhada pelo Oceano Atlântico. De concordância com a imagem, a nuvem se estende por uma fita de mais de mil quilômetros, cobrindo a região de Puerto Madryn, no Norte da Patagônia, até Mar del Plata, na costa da província de Buenos Aires.

Segundo Gassó, a nuvem de poeira é resultado do sistema de baixa pressão, normalmente associado à formação de nuvens e chuvas, que trouxe neve para a região de Usuahia e tempestade de vento para a Patagônia.

Embora a nuvem gigante esteja se movendo na costa do Atlântico Xis, o meteorologista da Climatempo, César Soares, acredita que a nuvem não deve chegar ao Brasil.

“Até chegar ao Brasil, essa nuvem de poeira já estará muito misturada com a nebulosidade da frente fria. Aliás, nós estamos em uma requisito mais úmida cá no Brasil, e isso desfavorece a ocorrência de nuvens de poeira e, por isso, a nuvem tende a se dissipar”, diz Soares.