A mulher de 27 anos que confessou ter matado uma grávida para roubar a bebê do ventre dela em Canelinha, na Grande Florianópolis, foi condenada a 56 anos e 10 meses de prisão nesta quarta-feira (24), segundo o advogado de defesa Rodrigo Goulart. O julgamento ocorreu na Câmara de Vereadores de Tijucas, na mesma região, e durou por volta de 15 horas. A defesa pode recorrer da decisão.

A ré, que contou à Justiça ter pesquisado na internet sobre parto e gravidez para simular os sintomas, foi condenada pelos crimes de homicídio qualificado, tentativa de homicídio contra a bebê e mais quatro crimes conexos – ocultação de cadáver, fraude processual, subtração de menor e parto suposto, conforme MPSC.

O caso ocorreu em 27 de agosto do ano passado e, desde então, a ré permanecia presa. Em testemunho no julgamento, conforme o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), ela relatou como planejou o delito e admitiu ter estudado como faria para tirar a criança em gestação do ventre da mãe.

A ré começou a ser ouvida no final da tarde, por volta das 17h20. Segundo o MPSC, ela disse à Justiça que pesquisou na internet sobre parto e gravidez, para simular os sintomas. Também disse como planejou o delito, com o chá de bebê surpresa para a emboscada. Afirmou ainda que o lugar do ataque foi escolhido por estar desabitado e ter tijolos para atingir a cabeça da vítima.

Ela também foi questionada pelas próprias advogadas de defesa. A elas, segundo o MPSC, disse que matou a vítima para retirar a neném da barriga dela e que se arrependeu do delito depois de ser presa.

Além da acusada, o companheiro dela foi preso suspeito do delito. Porém, o homem foi solto em 7 de outubro de 2020. Em 27 de julho de 2021, a Justiça catarinense o absolveu.

Segundo o promotor que cuida do caso, Alexandre Carrinho Muniz, o companheiro da acusada não sabia sobre o plano de matar a professora e nem de que a própria companheira simulava uma gravidez. Portanto, não tinha qualquer envolvimento com o delito.