O filho do cantor Chorão, Alexandre Abrão, afirmou que tem por volta de 600 horas de conteúdo inédito do Charlie Brown Jr. Ele esteve recentemente no centro de uma polêmica envolvendo dois integrantes da formação original da banda, os bateristas Marcão e Thiago Castanho.

“Tem um teor inédito. Quando o pessoal do documentário veio falar comigo, eu tinha por volta de 800 fitas e eu cedi para eles o material. Eu cedi 800 horas de material bruto para um documentário e não recebi 1 centavo. Apoiei, fiz minha parte, tentei divulgar o máximo que consegui”, afirmou Alexandre em entrevista.

“Depois disso, eu achei em torno de 600 fitas a mais. Logo, tem muito material de coisas inéditas”, completou o herdeiro de Chorão.

Marcão e Thiago romperam vínculos com Alexandre Abrão nas vésperas da data que a banda completaria 30 anos. Thiago Castanho chegou a declarar que pretendia fazer uma turnê para comemorar as 3 décadas, mas Alexandre estaria criando empecilhos. Marcão, por sua vez, disse que o rapaz seria ganancioso.

“Na verdade, a gente tentou fazer uma parceria com ele em reverência ao pai dele e a toda a história. Mas fica muito difícil. É uma pessoa gananciosa, verbalmente não dá para confiar, você combina verbalmente uma coisa e, na hora de assinar o contrato, muda completamente. Essa situação toda, quem criou foi o próprio Alexandre”, disse o guitarrista Marcão.

Na entrevista, o filho do Chorão afirmou que gostaria de fazer a turnê de 30 anos com os integrantes da formação original, nem que fosse preciso resolver a situação com três horas de tapa na cara.

“Eu gostaria muito de fazer essa tour dos 30 anos com eles. EU continuo aqui esperando o telefone tocar. Como eu falei, vamos sentar o três numa mesa redonda por três horas de tapa na cara e fazer isso juntos, caral*@#”, disse Alexandre.