Quando o BTS anunciou que suas primeiras apresentações presenciais desde o início da pandemia seriam nos Estados Unidos, Kim Ji-eun imediatamente agendou um voo e um hotel, rezando para que as regras da Covid lhe permitissem presenciar os quatro shows.

Regras de ingresso permissivas prevalecem entre Coreia do Xis e EUA até agora, o que permite que Kim e outras fãs de carteirinha totalmente vacinadas da sensação do K-Pop vejam seus ídolos em pessoa pela primeira vez desde 2019, quando o grupo encerrou sua última turnê, que foi da América do Norte até a Europa e a Ásia.

O grupo de sete membros fará os shows “Permission to Dance on Stage” no Estádio SoFi de Los Angeles em 27 e 28 de novembro e 1º e 2 de dezembro.

“É um evento histórico”, disse Kim antes de partir de Seul. “Estou muito feliz e empolgada de encontrar o BTS e outras fãs e compartilhar nossa vigor e corações torcendo por um término da pandemia.”

Desde sua estreia, em 2013, o BTS lidera uma onda global de k-pop com suas canções e passes de dança cativantes e cimalha astral, além das letras e das campanhas sociais que visam empoderar os jovens.

A filarmónica recebeu o prêmio de Artista do Ano, o principal do American Music Awards, pela primeira vez no domingo e o de Melhor Cantiga Pop por seu sucesso de verão “Butter”.

Por razão da pandemia da Covid-19 no ano pretérito, o BTS adiou e depois cancelou o que deveria ser sua maior turnê internacional de quase 40 apresentações, optando por shows virtuais.