Sorocaba superlotação e atrasos no transporte público

As reclamações envolvem diversas linhas, entre elas: Rodrigo, Nova Esperança, Ipatinga, Carandá, Vitória Régia, Campolim, Altos do Ipanema, Júlio de Mesquita, Aparecidinha, Cajuru e Éden.

Maria Aparecida da Silva é cadeirante e conta que dois ônibus da linha Nova Esperança chegaram ao terminal com a rampa de acesso quebrada. Ela estava há 20 minutos esperando pelo terceiro veículo, que chegou com o mesmo problema. Com o ônibus já lotado de passageiros, uma funcionária do terminal pediu que todos descessem para que outro veículo fosse acionado. A atitude da funcionária deixou as pessoas que estavam dentro do ônibus nervosas.

Em nota, a Urbes diz que o veículo apresentou irregularidade no acionamento da rampa e foi substituído por outro e que o regulamento do transporte não permite a operação de veículo com irregularidade em rampa, sendo o veículo, de imediato, retirado de circulação para manutenção. A Urbes informa ainda que todo o funcionamento das rampas é checado toda madrugada, antes do início da operação de cada ônibus.

A resposta contradiz o ocorrido no terminal, pois duas linhas anteriores saíram com passageiros para realizar o trajeto, apesar da irregularidade.

Ainda na terça (15), pessoas que esperavam pela linha do Parque Campolim relataram que os ônibus não estavam parando para os passageiros entre os horários das 17h e 18h. Segundo uma passageira, os ônibus estavam superlotados e a espera foi de 30 minutos para conseguir embarcar.

Na plataforma do Carandá, Daniela Cristina Andrade conta que utiliza a linha todos os dias nos horários das 7h e 18h. Ela diz que não há demora, mas que os ônibus são pequenos e não suportam a demanda de passageiros para o horário. “Quando chega o ônibus grande, a fila já está imensa. Às vezes espero por outro, mas quando estou com pressa, embarco no ônibus lotado mesmo”. Para ela, é preciso colocar os ônibus articulados nos horários de pico ou veículos extras. De concordância com a passageira, os ônibus articulados são usados na linha do Carandá somente aos finais de semana, quando não há necessidade.

Questionada sobre o que será feito para solucionar os problemas nas linhas mencionadas pela reportagem, a Urbes diz que o planejamento e estudo são feitos incessantemente, inclusive, por meio do monitoramento cotidiano das linhas e horários, para promover alterações que melhorem continuamente a qualidade do serviço prestado. Sempre que necessário, conforme identificado aumento na demanda de passageiros, carros e horários extras são disponibilizados para garantir o pleno atendimento. E cita como exemplo a linha 55-Jardim Rodrigo, que desde fevereiro, opera com dois ônibus a mais, assim como a Vitória Régia. Nas demais linhas citadas, como a 303, que transita pela Zona Industrial, o aumento de trânsito em horário de pico, no fim de tarde, tem relação com a demora dos ônibus.

A Urbes diz também que opera um total de 14 viagens extras nas linhas citadas pela reportagem e intensificará o monitoramento delas, a fim de promover novos ajustes de horários, caso sejam necessários. Outra medida já ocorrida nesse sentido foi solicitar a ampliação da frota às empresas concessionárias, o que permitirá mais um aumento no número de viagens em várias linhas, como essas mencionadas.

Em geral, os maiores fluxos são registrados nas linhas que atendem aos principais corredores do transporte público, no caso, as principais avenidas da cidade. Quanto ao movimento de passageiros, há registro maior de utilização nos períodos de pagamento/vale ou datas que antecedem e sucedem feriados.

A nota explica também que os atrasos registrados são pontuais e decorrentes, por exemplo, de eventos, como acidentes de trânsito ou defeitos mecânicos em veículos e que desde o início deste ano, todas as linhas do transporte coletivo são monitoradas diariamente e em período integral, pelas equipes das operadoras ConSor, City e BRT Sorocaba, além da Urbes – Trânsito e Transportes. Inicialmente, a intervenção operacional ocorre por meio da inserção de viagens adicionais (extras) e, mantendo-se a procura por parte dos passageiros, essas viagens adicionais permanecem definitivamente na programação da linha.