Em pior crise hídrica dos últimos 90 anos, falta de água afeta moradores da região de Sorocaba

Um dos maiores reservatórios de chuva do interno do estado de São Paulo está secando. Atualmente, a Represa de Itupararanga, que abastece mais de um milhão de pessoas na região de Sorocaba, opera com 22% da capacidade.

Essa é a pior de crise hídrica dos últimos 90 anos no estado e a falta de chuva já afeta a vida de mais de dois milhões de moradores. Os sistemas de provimento de chuva entraram em colapso em muitas cidades.

De concordância com o vice-presidente do Comitê das Bacias Hidrográficas do rio Sorocaba e do Médio Tietê, André cordeiro, a falta de chuvas afeta o provisão.

“As chuvas foram inferior dos 40% da média histórica que a gente normalmente tem para essa região. Logo fez com que a represa chegasse ao início do período de estiagem, em abril, com um volume muito insignificante e isso só foi diminuindo de lá para cá.”

Guardas municipais de Mairinque (SP) estão indo de residência em residência para alertar os moradores. Quem desperdiçar chuva, será multado em R$ 600.

Em Itu (SP), moradores reclamam que o rodízio não funciona. O esquema já dura três meses e não tem previsão para terminar. Em muitas casas, falta chuva para o imprescindível.

Já em Bauru, o rodízio de chuva já dura seis meses e não deve terminar este ano. O Rio Guerra, que abastece 40% da cidade, está baixando cada dia mais.

Há um mês, moradores de Franca (SP) também estão com rodízio de chuva. A empresária Juliana Moretti conta que está amargando prejuízos.

“A gente está pensando sim em fazer um dia de folga universal para gente também dar uma pausa nesses gastos porque não tem como repassar isso ao cliente.”