A gigante chinesa de telecomunicações Huawei informou nesta sexta-feira (31) que sua receita anual caiu em um terço este ano, afetada, em parte, pelas sanções americanas que atingiram as vendas de seus smartphones.

A Huawei foi apanhada na rivalidade mercantil e tecnológica entre os Estados Unidos e a China, o que levou o ex-governo Donald Trump a revalidar medidas contra a empresa por supostas ameaças de cibersegurança e espionagem.

Este ano, a receita da empresa caiu 29% com relação ao ano anterior, para 634 bilhões de yuans (US$ 99,5 bilhões), informou seu presidente Guo Ping em mensagem de Ano Novo.
“Em 2021, apesar das dificuldades e tribulações, trabalhamos muito para gerar valor tangível para nossos clientes e nossas comunidades locais”, disse Guo.

“Melhoramos a qualidade e eficiência de nossas operações e esperamos fechar o ano com uma receita totalidade de 634 bilhões de yuans”, acrescentou, destacando que “o desempenho global está em risco com as previsões”.

Os Estados Unidos vetaram a Huawei de comprar componentes cruciais para seus produtos, como microchips, e forçaram-na a produzir seu próprio sistema operacional, impedindo-a de usar o sistema Android do Google.

Este mês, a empresa lançou seu novo telefone dobrável e garantiu que 220 milhões de dispositivos Huawei já possuem seu sistema HarmonyOS.

A Huawei é a maior fornecedora mundial de componentes para redes de telecomunicações e estava entre os três maiores produtoras de smartphones junto com Samsung e Apple.

No entanto, essa posição caiu devido às pressões dos Estados Unidos. Em outubro, o grupo garantiu que seu volume de vendas entre janeiro e setembro caiu 32%.