‘Annette’ inicia Festival de Cannes com músico sobre paixão doentio

Um musical estrelado por Adam Driver (“História de um casamento”) e Marion Cotillard (“Dois dias, uma noite”) como amantes presos em uma relação sinistra abriu a mostra competitiva de Cannes nesta terça-feira (6), trazendo riffs de rock e ares de ópera para o festival de cinema em sua grande noite de reabertura.

O inebriante e altamente teatral “Annette”, dirigido pelo francês Leos Carax (“Holy motors”), se mostrou uma boa escolha de abertura para o evento, depois de o cancelamento da edição de 2020 por culpa da pandemia de coronavírus.

A história, contada ao som da dupla de rock norte-americana Sparks, que também assina o roteiro, se baseia em parte no mundo artístico e nos efeitos destrutivos da fama.

Em alguns momentos sem razão, em outros profundo e pungente, o filme pressionou suas estrelas ao limite no canto, afirmou Driver.

O ator – que interpreta um comediante de stand-up sarcástico que se apaixona por Ann, uma tímida cantora de ópera antes do amor dos dois azedar – teve uma breve cena cantando no filme “História de um Casamento”, de 2019, mas faz o que pode pelos agudos e graves de seu personagem em “Annette”.

“É tão cinemático e às vezes aquelas imagens precisam de ensaio ou, você sabe, cantar numa motocicleta a 100 km/h”, disse Driver ao Portal Xis antes da estreia.

Cotillard, que ganhou um Oscar em 2008 pela cinebiografia da cantora Edith Piaf “La Vie en Rose”, precisou de suporte para seus vocais em algumas composições.

A história toma um rumo sombrio quando os personagens de Driver e Cotillard têm uma filha, Annette, e a relação começa a se desintegrar no momento em que a carreira dele declina e a dela cresce para um sucesso cada vez maior.
“Um dos temas com os quais realmente me identifiquei é como somos impactados pela urgência de reconhecimento”, disse Cotillard em uma entrevista.